Uma das receitas (cientificamente comprovadas) da felicidade

  • Bruno Calzavara
  • Nenhum comentário

Talvez tenha sido aquela conversa pré adolescência com minha avó Maria (co-fundadora do Hospital do Coração e voluntária do Lar Sírio) sobre o quanto uma vida feliz está intrinsecamente relacionada à pluralidade de papéis que exercemos. Ou quem sabe as festas animadas e sempre muito plurais que meus pais organizaram na década de 1980 (e que eu, uma criança “nerd” que adorava bater papo com adulto, era autorizada a espiar no início da noite). Ou, ainda, ter crescido ouvindo a música “We Are the World”, um clássico do movimento comunitário global envolvendo o Live Aid. 

A comunidade artística se uniu em prol da luta contra a fome no “USA for Africa: We Are The World” . Imagem: Rolling Stone.

O fato é que desde muito jovem tive consciência de que nossa saúde e felicidade estão intrinsecamente ligadas à nossa conexão. Comunidades são fundamentais para nosso bem-estar geral e menos conexão impacta negativamente não apenas nossa saúde mental, mas também nossas perspectivas e referências sobre o que é e o que pode ser. Ou sobre o “ser”, o “dever ser” e o que nós podemos transformar, reinventar, construir, aprender e impactar juntxs.

Vovó Maria e seus ensinamentos… Imagem: arquivo pessoal.

Animais sociais

Somos animais sociais e nosso instinto é não apenas encontrar força, potência e repertório para a inovação e as adversidades na conexão humana, mas também a própria felicidade. Não por acaso, o estudo acadêmico da Universidade de Harvard  “The Study of Adult Development“, ao acompanhar a vida de 724 pessoas ao longo de 75 anos, atestou que não são a riqueza nem a fama que garantem felicidade e longevidade, mas as boas relações com familiares, amigos e com a comunidade. Robert Waldinger, psiquiatra coordenador do estudo cita três grandes lições sobre relacionamentos extraídas a partir do estudo: 

  1. conexões sociais fazem bem para os seres humanos, já a solidão mata; 
  2. a qualidade das relações é mais importante do que a quantidade; 
  3. relacionamentos felizes e duradouros protegem a saúde física e mental.

Uma das coisas mais preciosas no processo de evolução humana é a interação social. Durante dois anos, ficamos mais distantes e tivemos todos um impacto considerável em nossa saúde mental também cientificamente comprovado por um estudo da Universidade de Houston que atestou o quanto os efeitos do isolamento social causados pela pandemia serão duradouros e potencialmente devastadores. 

Por isso mesmo, agora é tão importante nutrirmos comunidades, retomarmos os contatos presenciais, os diálogos, conversas e debates para lembrarmos que é isso o que nos faz humanos, felizes e saudáveis. 

A nossa comunidade

É claro que investir nos relacionamentos exige esforço. Assim como reinventar o Direito e a prática jurídica também exige! Justamente por isso, poder ser um dos elos dedicados à união de pessoas da comunidade Linte (clientes e não clientes) é poder praticar um tantinho a mais da tal receita da felicidade de Harvard.

Ouvi dos amigos que brindavam dias atrás que não devíamos fazer um brinde às conexões, mas às “conexões facilitadas pela Carol” 🙂 E rimos todos, usufruindo juntos do poder de comunidade e conexão que ali se manifestava.

________________________________________________

Se você também tem uma vontade incrível de evoluir, aprender, ampliar habilidades e se conectar, junte-se à nossa comunidade! 

Fazer parte da nossa comunidade significa ter acesso a eventos, palestras, rodas de conversa, happy hours, jantares e webinars que vão te ajudar a trocar experiências, desenvolver habilidades, adquirir ainda mais conhecimento, rir e se divertir. 

Em agosto teremos uma experiência incrível apenas para membros. Para se inscrever, acesse este link!

Open chat
Precisa de ajuda?
Fale com especialista