Como gerenciar o home office jurídico?

  • Katia Moura Rodrigues
  • Nenhum comentário
advogado

Por Benedito Villela, Gestor Jurídico na NORS e Professor

A quarentena mudou os hábitos dos advogados, antes acostumados com o presencial, para o home office. Como gerenciá-los agora?

Pandemia e home office jurídico

A imposição de quarentena sobre milhares de profissionais acostumados a rotinas presenciais provocou mudança de hábitos em uma grande parcela de advogados, pois acabou tirando uma minoria acostumada ao mundo “pontocom” ou aos escritórios com práticas mais modernas, para fazê-los atuar em uma rotina mais ou menos presencial. Dessa forma, criando-se o home office jurídico

Sendo assim, você verá algumas dicas para se adaptar ao home office jurídico e, quem sabe, até aproveitar mais essa nova realidade. Vamos lá? 

  • A primeira dica é a de fazer a manutenção ou alteração da rotina jurídica. Estudos mostram que existem diversos impactos psicológicos causados pelo isolamento social, como sintomas de stress pós-traumático, confusão e raiva. Assim a rotina profissional se torna peça chave na gestão da equipe. O Gestor deve manter ou então criar ao menos uma oportunidade de encontro virtual com toda equipe por semana, mesmo em Home Office. Ferramentas (inclusive gratuitas) não faltam. Se a natureza da equipe é mais social com happy hour, por exemplo, incentive esse momento de forma remota: cada um de sua casa comendo e bebendo algo compatível com esse momento.
  • Estabeleça marcos de horário. Se o expediente vai das 9 as 18, por exemplo, cabe ao gestor um bom dia e um boa tarde virtual. Isso ajuda a mostrar que o expediente ainda vale em tempos de teletrabalho, e que passam a ser esperadas ações profissionais da equipe naquele intervalo. Sempre é recomendada uma abordagem gentil como: “já chegou no trabalho”, caso não tenha uma ferramenta como um comunicador interno que traga essa informação.
  • Voz é bom, mas imagem é melhor ainda. Uma imagem vale mais que mil palavras, e para o home office jurídico, essa máxima vale ainda mais. Usar computadores e celulares para ver a equipe, dar um sorriso, uma palavra de amizade, ajuda a aproximar e também motiva as pessoas a minimamente se cuidarem, evitando assim casos como o que gerou o desabafo do sócio nominal de uma grande banca que pegou colaboradores de pijama e ainda sem a higiene matinal férias.
  • Atualização constante. A fase é de insegurança, muito provocada pela esquizofrenia legislativa que faz municípios, estados e federação baterem cabeça, enquanto que outro tanto vem da própria ignorância de como vai ser o mundo depois dessa crise tão peculiar. Então, nada melhor do que dividir a temperatura das águas com os colaboradores. Logicamente um gestor possui informações confidenciais, mas sempre que for possível, é aconselhável ser um canal de tranquilidade — ou de transparência para as equipes. Técnica também conhecida como mão no cavalo.
  • Reinvenção constante do jurídico. A LGPD era a queridinha da vez, enquanto os tributárias e trabalhistas andavam cabisbaixos. Nada como um dia após o outro, quando tudo virou de cabeça para baixo. Por isso, fundamental que o gestor incentive uma atualização de conteúdo, ou uma exploração em área conexa, tipo job rotation jurídico. Isso permite não somente o reforço em áreas que se tornaram chaves, a ocupação de eventual tempo ocioso, como também a chance dos advogados mostrarem habilidades e competências fora do esperado, trazendo inclusive oportunidades de negócios para a instituição, o que pode ser o diferencial na hora de eventual corte para redução de custos que já se mostra como uma realidade.
  • Empatia e bom humor sempre. Ao serem confinados às suas casas, todos foram expostos à própria realidade, que pode ser mais ou menos agradável. “Nos deram espelhos, e vimos um mundo doente”, como cantado por Renato Russo. Assim, calls serão interrompidas por crianças, gatos subirão nos teclados e cães vão roubar a cena de apresentações. Divergências entre ficar ou sair de casa às vezes serão reflexos dessas realidades, e nem sempre a tecnologia será uma aliada. Então cabe ao gestor ser o primeiro a liderar e saber conduzir com bom humor e temperança esses imprevistos todos que vão acontecer no home office jurídico.

Por fim, essas são apenas algumas dicas para tentar manter o equilíbrio e valorizar as pessoas.

Acima de tudo, a advocacia de qualidade, interna ou externa, é feita por pessoas. E quem sair dessa crise com uma equipe forte, certamente sairá na frente. Ou melhor ainda, o (a) profissional que entender as dicas acima, é um advogado que representa o futuro do direito. Aproveite também para ver o nosso webinar sobre o futuro do direito e as perspectivas para jovens advogados

Veja também: Advogado do futuro: como usar o conhecimento para ajudar?